segunda-feira, 24 de novembro de 2014

III FIESTA GITANA - ROTEIRO

Abaixo o ROTEIRO do que foi nossa III FIESTA GITANA. Optei apenas pelos textos por conta de sua extensão. Assim poderão imaginar como foi o dia 19 de Outbro de 2014. Fotos estão dispostas em meu perfil no facebook e em vários outros de pessoas que participaram e estiveram presentes neste dia.



ABERTURA e Parte I

Zambra
Elizabeth Turetta e Ricardo Samel
Há 30 anos eu comecei a estudar dança influenciado pelo filme “Os Amores de Carmen” interpretado pela atriz Rita Hayworth. Ainda não sabia o que era aquela dança que ela fazia com as castanholas ao seduzir o ator Glen Ford no papel do soldado José.

Após alguns deslizes por conta de minha ignorância, acabei encontrando o que eu queria: a Dança Flamenca. Foi nos estudos com a bailarina Sonia Castrioto que despertei a curiosidade pela origem e história desta dança.

Muito me intrigou a quantidade de influências que faziam parte de sua raiz. Pesquisei os judeus, algumas regionalidades espanholas, a dança indiana, a dança do ventre com Hayát (uma romi recém chegada ao Rio e separada de seu marido cigano) e a dança cigana.

Na dança cigana não fui feliz na época, pois a professora sequer sabia o que ensinava. Mas foi com Hayát que tive as primeiras informações e depois fui atrás de literaturas onde conheci a escritora Cristina da Costa Pereira que hoje aqui se encontra.

Vocês devem me perguntar por quê Ciganos? Todas as fontes que encontrava naquela época sobre o Flamenco falavam de ciganos. Assim descobri com um amigo que haveria uma festa em Sta. Tereza com ciganos dançarinos e a escritora lançando um livro sobre eles.

Minha intenção era tentar entender como um povo que eu achava extinto e apenas espiritual pudesse, além de ainda existirem, influenciar tanto uma arte.

A partir dali, conheci outros ciganos como o violinista Mio Vacite, o cantor e hoje premiado Alexandre Flores e tantos outros que apareceram que cheguei a pensar se era mesmo no Flamenco que eu deveria estar. Conheci a Wlavira Turczneck e somos amigos desde a primeira edição desta festa. E foi através dela que conheci Mikka Capella que, hoje ainda, teremos o prazer de tê-lo junto com a escritora Cristina no segundo bloco respondendo as perguntas que estamos recolhendo durante a primeira parte.

Nestes anos todos vi que os ciganos existem. E existem numa nova realidade e sem aquele carregado preconceito dos anos que já são passados. Por conta de sua própria cultura e com alguns ranços deste passado preconceituoso, eles ainda encontram dificuldades como outras etnias bases de nosso povo: os índios, os negros e outras diversidades.

O maior desafio foi tentar entender a essência de um ser que muitos diziam existir no Flamenco: o Duende. Até sobre “duendes” fui estudar para entender melhor. De nada adiantou. Havia um hiato entre aprender a dançar, a interpretar o Flamenco, o tão referido Duende e os Ciganos.

Foi nestes questionamentos pessoais que vi a inexistência deste hiato. Os ciganos expressam até hoje o amor que têm pela vida com tanta energia que o fazem puramente em suas artes e na maioria das vezes levados pelo impulso natural. As diversas faces desta emoção comum a todos nós, mas sentidas diferentemente: essa é a essência e este é o duende. E para mim foi apenas entendendo e saboreando a forma de ver e sentir a vida que os ciganos tem, que me fez enxergar isso.

É uma pena que muitos artistas do Flamenco não se interessem por esta cultura e desvelar isso é o objetivo de nossa Fiesta Gitana. Como tenho falado nas mídias da internet, nossa festa não é nem melhor e nem pior. Apenas diferente de tantas que possuem objetivos completamente diferentes dos nossos. Por esta razão sequer colocamos em evidência a parte místico-religiosa na festa. Além do caráter beneficente para ajudar algum lugar que realmente necessite como a Casa Geriátrica São Mateus em Guadalupe.

Todos que hoje participam da nossa 3a edição abraçaram a causa beneficente. Desprovemo-nos de todos os lucros, salvo os custos da festa, para trazer um pouco mais de conforto a esta casa geriátrica e levar um pouco mais de discernimento a todos que se ligam de alguma forma a Cultura Cigana. Meus amigos anfitriões, Carmencita e Carlos Máximo, abraçaram a causa comigo.

Muitos artistas foram convidados pela seriedade de seus trabalhos ligados a Cultura Cigana. Alguns recusaram por motivos pessoais e outros não honraram com sua palavra em seu compromisso. Estes que aqui se encontram hoje, abriram mão de seu domingo e, além de honrarem com a palavra de seu “sim”, compreenderam a causa beneficente, a causa do esclarecimento e deram um valor diferente a esta festa.

Eu, Carmencita e Carlos, apenas organizamos tudo. Falhas ocorrem e tentamos não errar. Mas nós dispusemos de nossa cara, de nosso tempo pessoal para louvar algo que infelizmente muitos desprezam: o conhecimento adquirido pelo processo das escolhas, da reflexão e, principalmente, do uso da humildade para aprender e da humildade para ensinar.

SHOW FLAMENCO (1h30m)
1- Abertura, Zambra e Tientos (Elizabeth Turetta e Ricardo Samel)
2- Ojos de Brujo (Cia Denise Tenório)
3- “Evita” (Izabel Moratti)
4- Peteneras (Incena Cia de Dança)
5- Tarantos y Tango (Cia Carlos Máximo)
6- Flamenco Pop (Cia Denise Tenório)
7- “Aire” (Ballet, Flamenco e Cia)
8- Guajiras (Espaço Étnico de Danças)
9- Cantiñas (Izabel Moratti)
10- Fandangos (Estudio Rodrigo Garcia)
11- Palo Seco (conidado especial Javier Berteloot, da Argentina)
12- patadas de Bulerías (todos)


 II PARTE
Cristina da Costa, Mikka Capella e Ricardo Samel
Sortilégio

Após anos estudando e lendo muitos livros nacionais e estrangeiros sobre a Cultura Cigana, principalmente sobre os ciganos espanhóis, achei que chegou a hora de trazer mais esclarecimentos e desvelar aquilo que não está explicitado nas festas de temática cigana.

Foi através desta ideia que convidamos a escritora Cristina da Costa Pereira que possui uma boa literatura a respeito, além de ter visitado vários acampamentos, conhecer ciganos de vários países e conquistar notório respeito deles, e do rom e pesquisador jovem Mikka Capella que estuda a história de seu povo, é que vamos ter um bate-papo. Eles responderão as perguntas a eles dirigidas e por eles sorteadas.

Levaremos em conta que as perguntas só serão respondidas se possuírem identificação da mesma forma como nós organizadores e convidados dispomos de nossa identidade nua e crua expondo-nos aqui hoje.

Brincaremos com a sorte, com o destino e veremos aquilo que o Sortilégio reserva-nos a esclarecer agora. Aquelas perguntas que, além de identificadas, não forem sorteadas aqui, nós organizadores e convidados, combinamos que suas respostas serão expostas em nossos blogs para que todos saciemos nossas curiosidades e as conheçamos.

Esperamos que todos desfrutem deste bate-papo e que possamos juntos agregar mais conhecimentos acabando com a ignorância e desmistificando fantasias a respeito deste povo perseguido, discriminado, mistificado e até mesmo encarado como extintos algumas vezes ou como mais uma designação religiosa.

RESOSTAS QUE NÃO FORAM SORTEADAS. As respostas estão na íntegra e sem nehuma edição.

1) Por que os ciganos se casam entre eles?
Pelo fato de não terem um território delimitado como pátria só deles, o casamento entre ciganos é, além da língua cigana, o romani, um dos pontos altos da coesão da etnia. Mas é bom destacar que os calons sedentários casam-se preferencialmente entre eles, bem como também ocorre com os calons nômades. Quanto aos ciganos do grupo rom (e os vários subgrupos – kalderash, macwaia, xoraxané, lovara etc.) casam-se, cada qual, preferencialmente, dentro do mesmo subgrupo, pois o convívio do casal, para falar em termos práticos, fica mais facilitado.
Além disso, há o dote e, com casamentos entre ciganos do mesmo grupo e subgrupo, estes se fortaleceriam. A estabilidade do casamento, então, poderia ser mais garantida, porque, em caso de desavença conjugal, só uma kumpania estaria envolvida. Como se vê, a ideia de perpetuar o clã está sempre presente entre os ciganos.” (PEREIRA, Cristina da Costa.Os ciganos ainda estão na estrada. Rio de Janeiro, Rocco, 2009).
Mas isto não é regra geral, pois no livro supracitado, o cigano kalderash Ivan Nicrites conta uma bela história de amor entre um rom kalderash seminômade e uma calin nômade, seus pais, e as dificuldades que isso acarretou por eles serem de grupos diferentes.
Quanto à possibilidade de haver casamento entre um cigano e uma gadji, as coisas se complicam, pois a família do rapaz, que sempre dará preferência a casá-lo com uma prima, ou seja, uma cigana, poderá pressionar.” (op. cit.). A mulher cigana que deseja se casar com um não cigano encontrará ainda maior resistência em sua família, pois ela, depois de casada, deverá seguir com o marido e conviver com a família dele e, segundo pensam os ciganos, se afastará das tradições ciganas.
Quando indaguei aos ciganos sobre esta resistência que eles têm ao casamento entre ciganos e não ciganos, respondiam que: “o mundo do romá e o mundo dos gadjé são tão diferentes que há pouca chance de um casamento dar certo nessas circunstâncias (...). Os ciganos casando entre si facilitam a preservação de seus traços culturais na nova família que irá se formar.” (op. cit.)
Ao longo de meus trinta anos de pesquisa e convívio com esta etnia, conheci ciganos de vários subgrupos casados entre si. Além do mais, estamos no século 21 e muitas dessas normas e hábitos vêm se adequando à contemporaneidade.
2) É verdade que o índice de analfabetismo entre ciganos é muito grande?

Falarei somente em termos de Brasil. O índice de analfabetismo é maior entre os calons nômades, pela questão da mobilidade permanente e da discriminação, que os afastam e a seus filhos da escola.
Porém, no Brasil e no mundo, somente de 3 a 4% dos ciganos (dados fornecidos pela Unesco e pelas organizações ciganas internacionais) são nômades, hoje em dia. Quanto aos sedentários (do grupo calon e do grupo rom), conheci desde ciganos com doutorado e mestrado, a graduados, com ensino médio, fundamental ou, mais raramente, analfabetos. Eles exerciam as mais diversas profissões (músicos, dançarinos, médicos, assistentes sociais, promotores, advogados, cartomantes, circenses, professores, oficiais de justiça, delegados, taxistas) como qualquer não cigano. Quanto mais sedentários são, encontram mais condições de estudar.
3) O que a fez escrever sobre a cultura cigana?
Graduada em letras pela UFRJ e sendo professora de língua portuguesa e literatura, em 1984 veio-me a ideia de escrever sobre os “desconhecidos” ciganos do Brasil. Pensei, primeiramente, em escrever um conto mas, à medida que pesquisava sobre a referida etnia cigana, havendo, então, uma escassa bibliografia sobre o tema e tendo que recorrer à bibliografia estrangeira, resolvi que escrever uma ficção poderia alimentar ainda mais a fantasia e o desconhecimento sobre os ciganos. Achei, então, melhor optar pelo gênero de ensaio e, por meio de viagens a vários estados do Brasil e a alguns países do exterior, encontrando ciganos de subgrupos e condições diversos, recolhendo suas falas, ou seja, dando voz a eles, creio ter ajudado mais na compreensão de sua cultura. Somente alguns ensaios depois, escrevi em 1992 o livro Ainda é tempo de sonhos (Imago), para o público infantil, e em 2011 o livro Qualquer chão leva ao céu – a história do menino e do cigano (Escrita Fina Edições), para o público infantojuvenil, recriando ficcionalmente o universo cigano.
Quando, em 1986, publiquei meu primeiro livro, Povo cigano (edição da autora), obedeci a um desejo íntimo e, ao longo desses anos, em relação a tal tema, percebi que não é só importante dizer: “aqueles são os ciganos, assim são eles”, mas contextualizá-los dentro das complexas relações sociais de dominação (diáspora na Índia, Inquisição, escravidão na Romênia, degredo de Portugal/chegada ao Brasil, perseguição por diversos países europeus, nazismo, advento da União Europeia, sua condição atual no Leste Europeu, na Europa, enfim, todas as situações político-econômicas em que se encontram no século 21, nos mais diversões países, que os afetam).
Às vezes, no que concerne à etnia cigana, é mais fácil considerar o sobrenatural; tocar na realidade é o que dói.
Cristina da Costa Pereira, 23 de outubro de 2014.


No último domingo, dia 19 de outubro, eu participei de uma mesa de perguntas e respostas que aconteceu na III Fiesta Gitana, organizada e produzida pelo amigo Ricardo Samel. O formato, inovador para as festas do gênero, consistiu em perguntas que eram feitas por escrito pelos convidados e depois sorteadas na mesa, por mim ou pela escritora e amiga Cristina da Costa Pereira.

Em virtude do tempo, algumas perguntas ficaram sem ser respondidas e nós, Cristina e eu, nos comprometemos com respondê-las depois, via e-mail e internet. Conforme o prometido, sorteamos as oito questões restantes e cada um de nós levou quatro para casa. Posto aqui as minhas:

1 - "De qual continente vieram os ciganos?"

Essa é bastante simples: da Ásia. Existe muita controvérsia quanto à origem dos rhomá (ciganos). A hipótese mais aceita, por conta de evidências linguísticas e genéticas, é a de que tenham vindo do noroeste do subcontinente indiano, da região onde hoje se situam o Paquistão e o estado indiano do Rajastão. Outras hipóteses dariam conta de uma possível origem semítica ou de um povo anterior às invasões árias que deram origem ao próprio povo indiano. Mas todos parecem concordar que a origem dos ciganos se deu no continente asiático.

2 - "Por que o cigano é um povo nômade?"

Essa não é uma questão de resposta simples. Por tudo o que sabemos e já conseguimos reconstruir da diáspora romani, o nomadismo não parece ter sido uma escolha, mas uma imposição, já que os ancestrais do povo rhomá (ciganos) foram expulsos de suas terras originais durante as invasões islâmicas no século XI ou foram levados como escravos, nesta mesma época, para a Pérsia. Da Pérsia, teriam partido rumo ao oeste por causa do acirramento dos conflitos religiosos entre cristãos e muçulmanos, ou seja, novamente por força das circunstâncias. Já na Europa, onde uma parte penetrou pelo Bósforo, na Grécia, e outra parece ter entrado pelo Estreito de Gibraltar, eles sofreram perseguição desde o início e nunca puderam permanecer por muito tempo no mesmo lugar.

Com o tempo, acabou se criando uma noção romantizada do nomadismo, em que ele é associado a um “espírito livre”, uma natureza indomável que seria característica dos rhomá. Muitos rhomá, inclusive, tomaram para si essa ideia, a exemplo do famoso poeta Spatzo (de origem sinti), que dizia: “o céu é meu teto, a Terra é minha pátria e a liberdade é a minha religião”. Mas essa parece ter sido uma tendência originada do hábito romani de abraçar o próprio destino e tirar forças da adversidade. Então podemos dizer que o nomadismo foi, a princípio, uma imposição, depois entendido como uma espécie de sina e hoje é interpretado pela maioria dos gadjé (não-ciganos) e também alguns rhomá como uma expressão de liberdade.

3 - "Em que local do Brasil existe a maior comunidade cigana?".

Em Sousa, na Paraíba. Uma comunidade que começou a se formar nos anos 50 e hoje é composta por três ranchos em que vivem cerca de 1500 famílias.

Há um curta-metragem disponível na internet, que foi produzido a partir de vídeos feitos por um adolescente da própria comunidade. Nele, é possível conhecer um pouco da realidade desses ciganos e dos problemas que eles enfrentam. Segue o link para assistir o vídeo: 


4 - "O que você ou nós poderíamos fazer para divulgar mais essa cultura, que estou começando a conhecer e acho bonita?"

Bom, a primeira coisa que você deve ter em mente é aprender o máximo que lhe for possível sobre a cultura antes de pensar em divulgá-la. Os rhomá, atualmente, estão num processo de organização política, começando a brigar por direitos e visibilidade. Neste processo, pessoas como eu, Cristina da Costa Pereira, alguns artistas e intelectuais, ciganos e não-ciganos, já estamos trabalhando para trazer mais informação sobre nossa cultura, com vistas mesmo a enfrentar o preconceito. Mas confesso que nosso maior desafio tem sido desconstruir informações equivocadas geradas, principalmente, por pessoas que misturam o povo rhomá com crenças religiosas completamente estranhas à etnia (algumas até bem intencionadas, outras nem tanto...). Então meu conselho, já que você acha bonita a nossa cultura, é para que estude e procure se informar da melhor maneira possível, em fontes confiáveis, sobre nosso povo. Simplesmente fazendo isso, você já estará ajudando muito mais do que pode parecer.

Um forte abraço e o meu muito obrigado a todos.
Mikka Capella




III PARTE

Leshjae Kumpania
Vendo um programa de TV recentemente sobre ciganos, escutei um calon nômade falar sobre o preconceito sofrido e que foi generalizado a todos os ciganos por causa de um mau elemento de seu povo. Ele disse:
“TODA ÁRVORE DÁ FRUTOS BONS E RUINS. E POR CAUSA DE UM FRUTO RUIM NÃO QUER DIZER QUE O RESTO DA ÁRVORE SERÁ PODRE.”

Ainda assim ouvimos esporadicamente comentários ou notícias de brigas entre vários grupos e subgrupos ciganos e, muitas vezes, apenas mostrando o lado ruim de suas diferenças; o que não nos cabe aqui discutir estas ou quaisquer diferenças entre eles. Só devemos lembrar que, assim como nós “gadjé” (quer dizer “não ciganos” em romani, a língua deles), eles também são passíveis de erros como qualquer povo.

E por quê não entre eles mesmos?

Por quê falar disso antes do show do grupo LESHJAE? Simples... Ruiter me perguntou o que eu queria que fosse tocado na festa, se eram rumbas ou apenas músicas dançantes. Lhe disse que o espaço será deles para tocarem aquilo que quiserem, como seria entre eles ou mesmo em sua casa independente de ser dançante ou não, pois o espaço de show é dele e da banda, para tocarem as músicas de sua alma, de sua família, de sua gente e de sua arte. E mostrar como eles vêem e sentem a vida através da música e da dança feita pela sua esposa Anne Kellen e seus filhos.

Ruiter, nós apenas conversamos duas vezes e apenas lhe agradeço em nome de todos aqui presentes e por fazer a máxima da palavra de um cigano e de sua hombridade. Em particular vocês ganharam meu respeito e admiração por fazerem o que fazem mostrando a verdadeira força da palavra de um cigano.

Recebam de todos nós um caloroso aplauso. E que as forças da natureza tragam a vocês muitas energias positivas em suas vidas e caminho e, claro, com muita sorte, saúde e muita paz. O show é de vocês!


 IV PARTE

Wlavira Turczneck, diretora e coreógrafa do Al Dabaran
Segundo contam estudiosos, antropólogos e ciganólogos, parece que a origem do povo cigano está ligado aos povos do noroeste da Índia, onde hoje se encontra o Paquistão, devido a sua língua ser muito parecida com um antigo sânscrito da Índia.

Por causa do endurecimento político e religioso com a invasão dos árias, os ciganos nomadizaram ainda em solo hindu e se dispersaram para não serem controlados. Mais tarde migraram para outras terras em busca de um lugar onde pudessem viver. Seu modo diferente de ser e vestir veio despertando a repulsa chegando aos preconceitos que conhecemos hoje.

A diferença entre povos nos separa naturalmente em quaisquer países que pisemos, mas nos une ao mesmo tempo. Devemos sempre lembrar que somos todos humanos em qualquer parte do mundo e temos nossas diferenças por conta de nossas raízes. Isso deve ser respeitado.

Pelos países que passaram, os ciganos deixaram marcas e absorveram culturas locais misturando as suas e transformando a forma der ver aquilo que viviam naquelas regiões. Eles se adaptam aos moldes locais, mas por serem diferentes da cultura local, são qualificados como a corja de uma sociedade impura. Precisamos respeitar as diferenças para sermos respeitados.

Várias são as influências deixadas nas culturas destes países por onde passaram e é com essa premissa que veremos algumas destas danças agora executadas por profissionais e seus aprendizes de diversos níveis de aprendizado.

Devemos louvar todos os profissionais de dança que são sinceros e honestos com seus aprendizes, pois ensinam de verdade aquilo que levaram anos estudando e aprendendo sem inventar o que não conheciam sem mistificar ou esconder a história de um povo que se manifesta demais através das artes.

Aqueles que aqui hoje se encontram foram convidados exatamente por serem desta forma. Isso não desqualifica os demais profissionais ausentes. Apenas estes se dispuseram e abraçaram a causa como um todo e vieram mostrar de forma mais artística, as danças dos diversos grupos existentes.

SHOW ROM (1h)

1- Abertura e Snarvick Cia de Dança
2- Baladi (Elaine Al Nahid)
3- Ghawazze (Espaço Étnico de Danças)
4- Ghawazze (Kelimaski)
5- Dança Russa (Al Dabaran)
6- Panô (alunas de Carlos Máximo)
7- Coração Cigano (Izabel Moratti)
8- Ciganas Turcas (Cia E Aneesh Gitane)
9- Lamento Cigano (alunas de Carlos Máximo)
10- Raks Al Asaya (Espaço Étnico de Danças)
11- Macedônia (Al Dabaran)  

Danças do Cigano Espanhol

fiesta gitana en la calle

Após 30 anos estudando o Flamenco, compreendi melhor a cultura andaluza e aqueles povos que se encontram em seus limites.

Apesar do Flamenco hoje ser uma arte universal, em seus primórdios seus maiores divulgadores foram os ciganos no final do séc. XIX e ali estabelecidos desde o séc.XV. Como já é sabido por muitos, os ciganos são aglutinadores de culturas a ponto de fundi-las com a sua e transformar a seu modo de ver.
Marina Torres bailando por rumbas

Ao se falar nas danças dos ciganos espanhóis é inegável que eles se utilizam do Flamenco como um todo, salvo ainda alguns estilos típicos como a Zambra, a Alboreá e outras danças do gitano, o cigano espanhol, e desconhecido por muitos profissionais da Dança Cigana aqui no Brasil que sequer admitem sua falta de conhecimento deste setor.

Após estes anos todos ainda ocorre o grande equívoco de ensinarem aqui no Brasil outras danças que sequer passam perto do folclore deles na Espanha. Ensinam estilos de Paso-Doble como os famosos "España Cañí", "El Gato Montés", "Malagueña" e até mesmo a "Granada", além de outra dança espanhola folclórica conhecida, a Sevillana, como dança cigana espanhola. Um dos maiores erros cometidos nestes tempos em que são vastas as fontes literárias escritas por renomados profissionais do setor, inclusive de fontes seguras na internet, para pesquisa sobre o tema.

A Rumba ainda é o tema mais utilizado para lembrar os gitanos, mas sequer também passa perto da realidade de lá na Espanha. Os famosos e já desgastados Gypsy Kings, que realmente são ciganos de origem espanhola, são muito usados, mas poucos sabem os profissionais daqui que eles apenas se utilizam do toque aflamencado em suas músicas populares e extremamente comerciais. Isto declarado por eles mesmos no documentário intitulado "Tierra Gitana" onde eles contam a história do grupo e desmistificam a rumba catalana que é a mesma que a rumba gitana e a flamenca. Enquanto isso, muitos ainda ensinam e mostram as "diferenças" entre estes estilos qualificando formas diferenciadas de dançar como se isso fosse relevante diante da cultura gitana-andaluza.


Pior do que tudo isso é ver em alguns shows o uso dos "Villancicos", que são músicas natalinas em ritmo de rumbas ou bulerías, dançadas com toda a falta de propriedade e desrespeitando o conteúdo cristiano de suas letras. Apesar de serem marcadas e passíveis de serem dançadas, não é de bom tom seu uso para dança e, principalmente, em vias de exibição pública. Mas entre eles mesmos é outra coisa... a cultura é deles!

Ciganos de Triana gravam LP de canções natalinas
gitanas de Granada

Cabe apenas mencionar aos estudantes destas duas danças, a Cigana e a Flamenca, a necessidade de realmente questionarem seus "mestres" e suas fontes, pois  mantendo estes estilos como dança cigana espanhola ainda nos dias de hoje estaremos inventando algo que em seu berço não os representa e sequer são reconhecidas na Espanha como danças ciganas. Em qualquer lugar da Andaluzia que perguntar qual é a dança dos ciganos irão lhe responder: FLAMENCO.

E estes ditos profissionais da dança cigana conseguem piorar mais ainda esta situação quando usam qualquer música cantada em espanhol ou com algumas castanholas no fundo como genuinamente do calon espanhol. Provavelmente porque desconhecem que calon não é só o português, o espanhol e o brasileiro. São lástimas que distanciam os aprendizes de uma realidade histórica, social e política desta etnia ainda mal compreendida. Isso demonstra o nível da palavra que qualifica aquele que ensina se intitulando "profissional" por apenas ter um registro profissional, por trabalhar com achismos ou se juntando a quem subestima a inteligência dos aprendizes temporariamente ou quando ciganos mesmos, brasileiros e envolvidos com o ensino da dança, entram nesta onda difamatória da cultura rhomá.

Pense nisso!